Como seu portfolio pode abrir caminho à sua contratação

Introdução

Um grande mito que existe no meio de UX/UI Designers é que portfolio não é importante, ou ainda, que não é necessário para profissionais mais experientes. Estamos aqui para dizer que o portfolio é sim muito importante, independente de seu nível de maturidade. Então o que existe de fato, e que não é mito, é a dúvida sobre o que seria um bom portfolio de UX/UI Designer. Telas bonitas? Projetos detalhados? Sua versatilidade em outras vertentes do design? Nenhum desses. No artigo de hoje vamos falar sobre qual é o ingrediente que mais falta em portfolios.

Voltando à base

Conforme citamos no artigo Porque você precisa fazer a Lição de Casa, conceitualmente, um portfolio nada mais é do que um apanhado de seus melhores trabalhos, para que alguém os veja e conclua que você está qualificado para fazer algo. Nesse momento, não há análise humana — apenas técnica. Bem, no universo de UX, não é (e não pode ser) bem assim.

Vemos todos os dias portfolios sem alma, sem histórias, sem contexto. Ao nos depararmos com simplesmente imagens do resultado final, ficamos perplexos: Você fez isso sozinho? Quanto tempo levou? O que exatamente você fez? Qual foi o cenário? Problema? Solução? Em suma, falta um ponto chave, que é o processo. É esse processo que nos interessa. Essas histórias não-contadas.

“Não se trata do destino, mas da jornada.”

Conte uma história

Quando for a hora de você construir um case para seu portfolio, tenha em mente que ele se destina a recrutadores. Ele pode agradar amigos, colegas de trabalho, família e até chamar atenção de desconhecidos, mas no final do dia, o usuário mais importante é o avaliador de uma empresa que busca alguém como você. O que essa pessoa espera encontrar em seu portfolio para fazer uma avaliação positiva e justa sobre você?

Bem, é importante mencionar aqui que o portfolio de um UX/UI Designer não é igual ao portfolio de nenhum outro tipo de designer. Os clientes das outras vertentes do Design se contentam em ver apenas o resultado final, mas não o recrutador de UX/UI Design. Explico:

Você sabe bem que seu trabalho não é apenas visual, ele é bem mais profundo do que isso, embora seja essa a camada que o usuário final vai consumir. Atente ao fato que ao requerer um profissional desses, uma empresa naturalmente espera encontrar conteúdo, consistência, sentido, contexto, e então os resultados — de forma a perceber que você é o epicentro de todos esses fatores.

Recrutadores podem cometer erros, pois processos seletivos não são 100% assertivos. Por isso, preferem focar nas histórias para que não te avaliem injustamente, visto que não querem operadores de mouse, artistas, finalizadores de arquivo ou desenhistas. Recrutadores querem entender como você pensa, e o farão baseando-se na forma que constrói um exemplo de como faz isso. É aqui que entra a importância de contar uma história.

Construindo a sua

Se você pegasse o celular e mostrasse um app a um estranho, dizendo “olha, está vendo esse app? Fui eu que fiz!”, provavelmente arrancaria da pessoa uma cara de impressionado forçada. Mas e se ao invés disso, você envolvesse a pessoa em uma trama, detalhando como tudo começou, quem foram os protagonistas, como os fatos se desenrolaram e como tudo terminou, certamente prenderia a atenção da pessoa. Agora coloque-se na cena de Forrest Gump: Sentado em uma praça, contando histórias para as pessoas. Por onde você começaria a contar a história de um projeto bacana que desenvolveu? Se você de fato trabalhou duro no projeto, sabe cada detalhe dele. De forma prática, veja abaixo alguns pontos para te ajudar a construir uma boa história de seu projeto:

1. Ambientação

Explique qual foi o projeto, a quem se destinou, quanto tempo durou, onde/quando aconteceu e quem foram as pessoas envolvidas no processo. Essas informações vão ambientar o espectador, fazendo com que ele consiga imaginar esses componentes se conectando e formular uma ideia em sua mente. Com elas, o projeto ganha um tom de realidade convincente, prendendo a atenção do espectador para chegar ao final da história.

2. Execução

Detalhe o que você fez, quais foram as etapas e como foram feitas as entregas. Na execução, precisa ficar muito claro seu papel na história, bem como a sequência de acontecimentos sucessivos que resultaram no grande e esperado desfecho. Mostrar imagens que representem as etapas é fundamental, explicando-as individualmente com informações curtas e objetivas.

3. Finalização

Apresente os objetivos atingidos e seus principais aprendizados. É muito importante esclarecer quais foram as barreiras e como você as superou, em rumo a atingir os objetivos do projeto. E claro, como sempre temos algo novo a aprender, evidenciar quais foram os seus aprendizados é primordial para que sua experiência seja comprovada ao espectador.

É claro que você pode detalhar bem mais do que isso, mas essas 3 etapas já lhe esclarecem a mente para usá-las como “esqueleto” ao construir a sua história. Lembre-se que o mais importante a mostrar, com base na expectativa de avaliadores, é a forma como você pensa, produz, resolve problemas e explica como fez. Você precisa saber fazer com que as pessoas te entendam.

Pontos a considerar

Promova-se bem

Coloque-se como peça-chave de sua história. Por mais interessante e bem montada que ela tenha ficado, e por mais que obviamente você não tenha feito tudo sozinho, é necessário ficar extremamente claro que você é o protagonista principal, colocando outros membros como personagens ativos e também importantes.

Lide com feedbacks

Você se contrataria? Se a resposta for diretamente sim, considere que sua percepção de si mesmo pode não ser a mesma das outras pessoas. Para isso, nossa sugestão é o óbvio para alguém como você: Valide seu “produto” com usuários. Mas espere: Não colha opiniões de pessoas que pouco tem a acrescentar ou que não tem capacidade técnica para dizer se está bom ou ruim, pois esses não são seus usuários finais. Em vez disso, envie para pessoas da área que tenham mais experiência que você, e peça-lhes extrema sinceridade. Se nesse momento não forem críticos, eles podem prejudicar a qualidade de seu portfolio e bloquear seu avanço.

Se você é muito experiente…

Já passou por diversas etapas em sua carreira, ocupa uma posição de destaque e almeja um cargo de liderança? As qualificações que serão mais avaliadas em você serão suas Soft Skills. Para que apresente essas habilidades, não há forma melhor do que contar uma história de como você lidou com os desafios, geriu de pessoas, prestou contas aos stakeholders e participou no crescimento da influência do Design Team no negócio como um todo. Essa deve ser sua história.

Conclusão

Todo UX/UI Designer precisa saber contar histórias. Não mostre apenas o destino, mas supervalorize a jornada. O que é mais interessante dizer? “Cheguei à Amazônia.” e mostrar fotos de lá, ou “Decidi um dia pegar meu carro e rodar sem rumo. Vi lugares incríveis, conheci pessoas maravilhosas, experimentei pratos deliciosos e quando percebi, cheguei à Amazônia.” e mostrar fotos de toda essa jornada?

We use cookies to give you the best experience. Cookie Policy

  1. Home
  2. Portfólio
  3. Porque é importante que UX/UI Designers saibam contar histórias

Porque é importante que UX/UI Designers saibam contar histórias

Como seu portfolio pode abrir caminho à sua contratação

Introdução

Um grande mito que existe no meio de UX/UI Designers é que portfolio não é importante, ou ainda, que não é necessário para profissionais mais experientes. Estamos aqui para dizer que o portfolio é sim muito importante, independente de seu nível de maturidade. Então o que existe de fato, e que não é mito, é a dúvida sobre o que seria um bom portfolio de UX/UI Designer. Telas bonitas? Projetos detalhados? Sua versatilidade em outras vertentes do design? Nenhum desses. No artigo de hoje vamos falar sobre qual é o ingrediente que mais falta em portfolios.

Voltando à base

Conforme citamos no artigo Porque você precisa fazer a Lição de Casa, conceitualmente, um portfolio nada mais é do que um apanhado de seus melhores trabalhos, para que alguém os veja e conclua que você está qualificado para fazer algo. Nesse momento, não há análise humana — apenas técnica. Bem, no universo de UX, não é (e não pode ser) bem assim.

Vemos todos os dias portfolios sem alma, sem histórias, sem contexto. Ao nos depararmos com simplesmente imagens do resultado final, ficamos perplexos: Você fez isso sozinho? Quanto tempo levou? O que exatamente você fez? Qual foi o cenário? Problema? Solução? Em suma, falta um ponto chave, que é o processo. É esse processo que nos interessa. Essas histórias não-contadas.

“Não se trata do destino, mas da jornada.”

Conte uma história

Quando for a hora de você construir um case para seu portfolio, tenha em mente que ele se destina a recrutadores. Ele pode agradar amigos, colegas de trabalho, família e até chamar atenção de desconhecidos, mas no final do dia, o usuário mais importante é o avaliador de uma empresa que busca alguém como você. O que essa pessoa espera encontrar em seu portfolio para fazer uma avaliação positiva e justa sobre você?

Bem, é importante mencionar aqui que o portfolio de um UX/UI Designer não é igual ao portfolio de nenhum outro tipo de designer. Os clientes das outras vertentes do Design se contentam em ver apenas o resultado final, mas não o recrutador de UX/UI Design. Explico:

Você sabe bem que seu trabalho não é apenas visual, ele é bem mais profundo do que isso, embora seja essa a camada que o usuário final vai consumir. Atente ao fato que ao requerer um profissional desses, uma empresa naturalmente espera encontrar conteúdo, consistência, sentido, contexto, e então os resultados — de forma a perceber que você é o epicentro de todos esses fatores.

Recrutadores podem cometer erros, pois processos seletivos não são 100% assertivos. Por isso, preferem focar nas histórias para que não te avaliem injustamente, visto que não querem operadores de mouse, artistas, finalizadores de arquivo ou desenhistas. Recrutadores querem entender como você pensa, e o farão baseando-se na forma que constrói um exemplo de como faz isso. É aqui que entra a importância de contar uma história.

Construindo a sua

Se você pegasse o celular e mostrasse um app a um estranho, dizendo “olha, está vendo esse app? Fui eu que fiz!”, provavelmente arrancaria da pessoa uma cara de impressionado forçada. Mas e se ao invés disso, você envolvesse a pessoa em uma trama, detalhando como tudo começou, quem foram os protagonistas, como os fatos se desenrolaram e como tudo terminou, certamente prenderia a atenção da pessoa. Agora coloque-se na cena de Forrest Gump: Sentado em uma praça, contando histórias para as pessoas. Por onde você começaria a contar a história de um projeto bacana que desenvolveu? Se você de fato trabalhou duro no projeto, sabe cada detalhe dele. De forma prática, veja abaixo alguns pontos para te ajudar a construir uma boa história de seu projeto:

1. Ambientação

Explique qual foi o projeto, a quem se destinou, quanto tempo durou, onde/quando aconteceu e quem foram as pessoas envolvidas no processo. Essas informações vão ambientar o espectador, fazendo com que ele consiga imaginar esses componentes se conectando e formular uma ideia em sua mente. Com elas, o projeto ganha um tom de realidade convincente, prendendo a atenção do espectador para chegar ao final da história.

2. Execução

Detalhe o que você fez, quais foram as etapas e como foram feitas as entregas. Na execução, precisa ficar muito claro seu papel na história, bem como a sequência de acontecimentos sucessivos que resultaram no grande e esperado desfecho. Mostrar imagens que representem as etapas é fundamental, explicando-as individualmente com informações curtas e objetivas.

3. Finalização

Apresente os objetivos atingidos e seus principais aprendizados. É muito importante esclarecer quais foram as barreiras e como você as superou, em rumo a atingir os objetivos do projeto. E claro, como sempre temos algo novo a aprender, evidenciar quais foram os seus aprendizados é primordial para que sua experiência seja comprovada ao espectador.

É claro que você pode detalhar bem mais do que isso, mas essas 3 etapas já lhe esclarecem a mente para usá-las como “esqueleto” ao construir a sua história. Lembre-se que o mais importante a mostrar, com base na expectativa de avaliadores, é a forma como você pensa, produz, resolve problemas e explica como fez. Você precisa saber fazer com que as pessoas te entendam.

Pontos a considerar

Promova-se bem

Coloque-se como peça-chave de sua história. Por mais interessante e bem montada que ela tenha ficado, e por mais que obviamente você não tenha feito tudo sozinho, é necessário ficar extremamente claro que você é o protagonista principal, colocando outros membros como personagens ativos e também importantes.

Lide com feedbacks

Você se contrataria? Se a resposta for diretamente sim, considere que sua percepção de si mesmo pode não ser a mesma das outras pessoas. Para isso, nossa sugestão é o óbvio para alguém como você: Valide seu “produto” com usuários. Mas espere: Não colha opiniões de pessoas que pouco tem a acrescentar ou que não tem capacidade técnica para dizer se está bom ou ruim, pois esses não são seus usuários finais. Em vez disso, envie para pessoas da área que tenham mais experiência que você, e peça-lhes extrema sinceridade. Se nesse momento não forem críticos, eles podem prejudicar a qualidade de seu portfolio e bloquear seu avanço.

Se você é muito experiente…

Já passou por diversas etapas em sua carreira, ocupa uma posição de destaque e almeja um cargo de liderança? As qualificações que serão mais avaliadas em você serão suas Soft Skills. Para que apresente essas habilidades, não há forma melhor do que contar uma história de como você lidou com os desafios, geriu de pessoas, prestou contas aos stakeholders e participou no crescimento da influência do Design Team no negócio como um todo. Essa deve ser sua história.

Conclusão

Todo UX/UI Designer precisa saber contar histórias. Não mostre apenas o destino, mas supervalorize a jornada. O que é mais interessante dizer? “Cheguei à Amazônia.” e mostrar fotos de lá, ou “Decidi um dia pegar meu carro e rodar sem rumo. Vi lugares incríveis, conheci pessoas maravilhosas, experimentei pratos deliciosos e quando percebi, cheguei à Amazônia.” e mostrar fotos de toda essa jornada?

Mao Barros

Mao Barros

Receba alertas de novas vagas

Receba vagas originais da Deeploy e vagas da comunidade em seu e-mail toda semana.