Qual desses é melhor para sua carreira?

Designers Generalistas X Especialistas

 

Vamos tomar por exemplo os médicos. Em sua época de academia, os jovens doutores aprendem como funciona o corpo humano, entendendo de forma geral cada ponto de nosso complexo organismo. Ao graduarem-se, estão tecnicamente aptos a iniciar suas atividades profissionais como Clínicos Gerais, o que é suficiente na maioria dos casos e muitos permanecem nessa atividade ao longo de sua carreira. Mas alguns deles optam por se aprofundar em determinadas áreas da medicina, tornando-se especialistas (como Cardiologistas, Pediatras, Ortopedistas, etc.). Logo, quando em certas situações faltar determinada informação ou experiência aos Clínicos Gerais, estes encaminharão o paciente a um especialista.

 

Em nosso universo de Design, não é diferente. Designers, especialmente os que atuam há mais tempo, foram treinados para conhecer todas as diferentes vertentes do design. Alguns permanecem nesse ponto e criam suas carreiras como generalistas. Outros, preferem se aprofundar mais em determinadas áreas, tornando-se especialistas. A questão que se coloca é: ao precisar de uma determinada tarefa, em qual desses profissionais você confiaria? Ao solicitar um generalista, você sabe que mesmo que ele faça o melhor que pode, sua entrega é satisfatória mas limitada. Mas ao solicitar um especialista, tenha a certeza de esse será mais profundo e certeiro.

 

Nesse aspecto, temos que definir um separador entre designers de outras disciplinas e UX/UI Designers. Regularmente, recebemos materiais de designers dos mais diversos tipos, como Diretores de Arte, Designers Gráficos, Designers 3D, Motion Designers, e mais. Esses profissionais, muitas vezes altamente qualificados e experientes, apresentam uma simples questão: Não são UX/UI Designers. Logo, entenda que UX/UI Design é em si uma especialização dentro do Design, voltada para criação de produtos digitais.

 

Conforme falamos no artigo Como aplicar a uma vaga, sua experiência anterior nas disciplinas do Design citadas acima podem te favorecer em certos pontos e agregar a seus entregáveis, mas não te dão a bagagem, práticas, metodologias e mentalidades específicas de UX/UI Design. Ninguém vai diretamente de Diretor de Arte Sênior a UX/UI Designer sênior. No momento em que você decide migrar para UX/UI e especializar-se nessa disciplina do Design, é somente a experiência à partir desse momento que conta como real para sua carreira de UX/UI Designer.

 

Fazendo uma breve comparação:

Designers Generalistas

 

São os designers que fazem de tudo, acostumados com o dia-a-dia intenso de entrega de peças visuais de diversos tipos. Diante da necessidade de aprender algo novo para atender demandas, eles desenvolvem-se suficientemente para cada entrega, podendo fazer tudo isso sozinhos e ao mesmo tempo. Logo, em maioria tornam-se freelancers pois atendem diversos tipos de clientes e projetos. Mas como nosso ponto sempre são oportunidades em empresas, infelizmente:

    • São menos valorizados;
    • Estão constantemente sobrecarregados de trabalho;
    • Sua influência nos resultados do projeto e da empresa é baixa;
    • Não contribuem ao crescimento do setor.

UX/UI Designers (especialistas)

 

São os designers que atuam especificamente com UX/UI Design. Mesmo tendo escolhido essa disciplina e se aprofundado em sua especialidade, devido à sua bagagem anterior, ainda são capazes de performar bem outras tarefas quando necessário. Dentro das empresas:

    • São mais valorizados;
    • São mais organizados, pois definem melhor rotinas de trabalho;
    • Influenciam diretamente o resultado do projeto e da empresa;
    • Fazem descobertas que levam o setor adiante.

Especializando-se em UX/UI Design

 

Uma vez que você busca desenvolvimento e se insere no universo de UX/UI Design, torna-se um profissional júnior. Mas não se iluda pela nomenclatura: Conforme falamos no artigo Como aplicar a uma vaga, um UX/UI Designer júnior sabe executar todas as tarefas satisfatoriamente, entendendo das ferramentas e metodologias para ter um entregável. Ou seja, para o mercado, mesmo que você seja um designer experiente em outras disciplinas e possa usar essa experiência, especificamente em UX/UI Design, você está começando.

 

Nesse ponto, há ainda uma grande crescente de profissionais provenientes de outras áreas não relacionadas ao design, como Psicologia, Redação e Tecnologia. Igualmente, ao ingressarem em UX/UI Design, mesmo que sua bagagem anterior seja agregadora, estarão começando.

 

A boa notícia é que vagas são únicas, para demandas específicas, em empresas com mindset próprio. Isso faz com que hajam oportunidades em que seja mais pertinente contratar pessoas com mais background em Psicologia, do que pessoas altamente qualificadas em visual design. Ficará a critério do perfil da vaga e do avaliador em definir seu fit com a oportunidade em questão, e em alguns casos, relevando a maturidade em UX/UI do candidato devido a determinada skill. Em vias práticas, há oportunidades em empresas de diferentes perfis para seu momento na carreira. Resumo abaixo:

Baixa Maturidade em Design

 

Normalmente empresas pequenas. Requerem profissionais que atuem de forma completa, por não terem total entendimento sobre a real função de um UX/UI Designer, ou mesmo budgets bem menores. Além disso, é claro, precisam que o profissional seja versátil suficientemente para contribuir em tudo o que for necessário no quesito visual e estratégico.

Média Maturidade em Design

 

Empresas de médio porte, startups, ou mesmo grandes empresas em processo de transformação digital. Essas já possuem liderança de design e profissionais mais qualificados e especialistas para esse processo, com times enxutos. São o lugar ideal para você ajudar na implantação do mindset de UX, merecendo um lugar na mesa dos stakeholders com a paciência e tempo necessários, ajudando-os em sua transformação digital na direção de produtos centrados no usuário.

Alta Maturidade em Design

 

Empresas maiores que já tem processos e metodologias implementadas, com produtos digitais consolidados e times de design experientes que estão condicionados a lidar com a cultura da empresa na criação de novos produtos ou melhoria dos atuais. Esses, por sua vez, são mais robustos pois envolvem muito mais pessoas, tecnologias, processos internos e investimentos, e por isso, há espaço e budget para profissionais altamente qualificados e especialistas.

O profissional “na forma T”

 

Já atuando como UX/UI Designer há algum tempo e tendo conhecido o processo de ponta-a-ponta, você notará que há um aprofundamento ainda maior nessa disciplina, como UX Writing e UX Research. Para alcançar essa “especificação da especificação”, será necessário que você se auto-avalie considerando todo o seu background anterior com o seu momento atual, definindo os pontos mais fortes ou o que você realmente ama fazer.

 

Para isso, foi criada uma terminologia / representação visual conhecida como T-Shape (“na forma T”, em tradução livre), que ilustra o profissional apto a atuar em todas áreas do Product Design, mas que em uma delas é mais profundo. Esse profissional agrega a times com mais qualidade e traz mais valor ao projeto, já que nunca estará totalmente desinformado sobre determinada tarefa (para que atrapalhe seu time) e sempre está melhor informado em sua expertise do que seus colegas (para que sua entrega individual seja mais completa).

 

Veja no exemplo abaixo uma explicação visual sobre esse conceito. É possível adicionar muito mais disciplinas do universo de UX/UI Design, mas vamos nos ater às mais comuns em profissionais avaliados. Cada uma dessas tem seu próprio aprofundamento.

 

Atente para o fato de que, uma vez que você é especializado em uma delas mas conhece todas, seu alinhamento com o time será muito mais prático e eficaz pois vocês entendem, em algum nível, das mesmas habilidades. Em sua especialidade, você terá mais voz; da mesma forma, os outros integrantes do time em suas próprias especialidades. Veja abaixo:

Conclusão

 

Se você é atualmente um designer “multitask” e deseja atuar como UX/UI Designer, esse processo não é simples e muito menos automático. Para especialize-se nessa disciplina, será necessário que você mergulhe de cabeça: estude, desenvolva outras habilidades, ouça pessoas, entenda processos e passe a valorizar dados, negócios e resultados — para então compreender a enorme diferença de mindset. Se está em busca de formação, recomendamos o BootCamp MID (Master Interface Design) da Aela.io.

 

UX/UI Designers são mais procurados atualmente e melhor remunerados, pois são especialistas. No final das contas, o caminho da especialização é o mais propício a lhe render melhores resultados na construção de sua carreira no longo prazo, possibilitando o crescimento em sua especialidade, reputação e valor de mercado.

We use cookies to give you the best experience. Cookie Policy

  1. Home
  2. Carreira
  3. Designers Generalistas VS. UX/UI Designers

Designers Generalistas VS. UX/UI Designers

Qual desses é melhor para sua carreira?

Designers Generalistas X Especialistas

 

Vamos tomar por exemplo os médicos. Em sua época de academia, os jovens doutores aprendem como funciona o corpo humano, entendendo de forma geral cada ponto de nosso complexo organismo. Ao graduarem-se, estão tecnicamente aptos a iniciar suas atividades profissionais como Clínicos Gerais, o que é suficiente na maioria dos casos e muitos permanecem nessa atividade ao longo de sua carreira. Mas alguns deles optam por se aprofundar em determinadas áreas da medicina, tornando-se especialistas (como Cardiologistas, Pediatras, Ortopedistas, etc.). Logo, quando em certas situações faltar determinada informação ou experiência aos Clínicos Gerais, estes encaminharão o paciente a um especialista.

 

Em nosso universo de Design, não é diferente. Designers, especialmente os que atuam há mais tempo, foram treinados para conhecer todas as diferentes vertentes do design. Alguns permanecem nesse ponto e criam suas carreiras como generalistas. Outros, preferem se aprofundar mais em determinadas áreas, tornando-se especialistas. A questão que se coloca é: ao precisar de uma determinada tarefa, em qual desses profissionais você confiaria? Ao solicitar um generalista, você sabe que mesmo que ele faça o melhor que pode, sua entrega é satisfatória mas limitada. Mas ao solicitar um especialista, tenha a certeza de esse será mais profundo e certeiro.

 

Nesse aspecto, temos que definir um separador entre designers de outras disciplinas e UX/UI Designers. Regularmente, recebemos materiais de designers dos mais diversos tipos, como Diretores de Arte, Designers Gráficos, Designers 3D, Motion Designers, e mais. Esses profissionais, muitas vezes altamente qualificados e experientes, apresentam uma simples questão: Não são UX/UI Designers. Logo, entenda que UX/UI Design é em si uma especialização dentro do Design, voltada para criação de produtos digitais.

 

Conforme falamos no artigo Como aplicar a uma vaga, sua experiência anterior nas disciplinas do Design citadas acima podem te favorecer em certos pontos e agregar a seus entregáveis, mas não te dão a bagagem, práticas, metodologias e mentalidades específicas de UX/UI Design. Ninguém vai diretamente de Diretor de Arte Sênior a UX/UI Designer sênior. No momento em que você decide migrar para UX/UI e especializar-se nessa disciplina do Design, é somente a experiência à partir desse momento que conta como real para sua carreira de UX/UI Designer.

 

Fazendo uma breve comparação:

Designers Generalistas

 

São os designers que fazem de tudo, acostumados com o dia-a-dia intenso de entrega de peças visuais de diversos tipos. Diante da necessidade de aprender algo novo para atender demandas, eles desenvolvem-se suficientemente para cada entrega, podendo fazer tudo isso sozinhos e ao mesmo tempo. Logo, em maioria tornam-se freelancers pois atendem diversos tipos de clientes e projetos. Mas como nosso ponto sempre são oportunidades em empresas, infelizmente:

    • São menos valorizados;
    • Estão constantemente sobrecarregados de trabalho;
    • Sua influência nos resultados do projeto e da empresa é baixa;
    • Não contribuem ao crescimento do setor.

UX/UI Designers (especialistas)

 

São os designers que atuam especificamente com UX/UI Design. Mesmo tendo escolhido essa disciplina e se aprofundado em sua especialidade, devido à sua bagagem anterior, ainda são capazes de performar bem outras tarefas quando necessário. Dentro das empresas:

    • São mais valorizados;
    • São mais organizados, pois definem melhor rotinas de trabalho;
    • Influenciam diretamente o resultado do projeto e da empresa;
    • Fazem descobertas que levam o setor adiante.

Especializando-se em UX/UI Design

 

Uma vez que você busca desenvolvimento e se insere no universo de UX/UI Design, torna-se um profissional júnior. Mas não se iluda pela nomenclatura: Conforme falamos no artigo Como aplicar a uma vaga, um UX/UI Designer júnior sabe executar todas as tarefas satisfatoriamente, entendendo das ferramentas e metodologias para ter um entregável. Ou seja, para o mercado, mesmo que você seja um designer experiente em outras disciplinas e possa usar essa experiência, especificamente em UX/UI Design, você está começando.

 

Nesse ponto, há ainda uma grande crescente de profissionais provenientes de outras áreas não relacionadas ao design, como Psicologia, Redação e Tecnologia. Igualmente, ao ingressarem em UX/UI Design, mesmo que sua bagagem anterior seja agregadora, estarão começando.

 

A boa notícia é que vagas são únicas, para demandas específicas, em empresas com mindset próprio. Isso faz com que hajam oportunidades em que seja mais pertinente contratar pessoas com mais background em Psicologia, do que pessoas altamente qualificadas em visual design. Ficará a critério do perfil da vaga e do avaliador em definir seu fit com a oportunidade em questão, e em alguns casos, relevando a maturidade em UX/UI do candidato devido a determinada skill. Em vias práticas, há oportunidades em empresas de diferentes perfis para seu momento na carreira. Resumo abaixo:

Baixa Maturidade em Design

 

Normalmente empresas pequenas. Requerem profissionais que atuem de forma completa, por não terem total entendimento sobre a real função de um UX/UI Designer, ou mesmo budgets bem menores. Além disso, é claro, precisam que o profissional seja versátil suficientemente para contribuir em tudo o que for necessário no quesito visual e estratégico.

Média Maturidade em Design

 

Empresas de médio porte, startups, ou mesmo grandes empresas em processo de transformação digital. Essas já possuem liderança de design e profissionais mais qualificados e especialistas para esse processo, com times enxutos. São o lugar ideal para você ajudar na implantação do mindset de UX, merecendo um lugar na mesa dos stakeholders com a paciência e tempo necessários, ajudando-os em sua transformação digital na direção de produtos centrados no usuário.

Alta Maturidade em Design

 

Empresas maiores que já tem processos e metodologias implementadas, com produtos digitais consolidados e times de design experientes que estão condicionados a lidar com a cultura da empresa na criação de novos produtos ou melhoria dos atuais. Esses, por sua vez, são mais robustos pois envolvem muito mais pessoas, tecnologias, processos internos e investimentos, e por isso, há espaço e budget para profissionais altamente qualificados e especialistas.

O profissional “na forma T”

 

Já atuando como UX/UI Designer há algum tempo e tendo conhecido o processo de ponta-a-ponta, você notará que há um aprofundamento ainda maior nessa disciplina, como UX Writing e UX Research. Para alcançar essa “especificação da especificação”, será necessário que você se auto-avalie considerando todo o seu background anterior com o seu momento atual, definindo os pontos mais fortes ou o que você realmente ama fazer.

 

Para isso, foi criada uma terminologia / representação visual conhecida como T-Shape (“na forma T”, em tradução livre), que ilustra o profissional apto a atuar em todas áreas do Product Design, mas que em uma delas é mais profundo. Esse profissional agrega a times com mais qualidade e traz mais valor ao projeto, já que nunca estará totalmente desinformado sobre determinada tarefa (para que atrapalhe seu time) e sempre está melhor informado em sua expertise do que seus colegas (para que sua entrega individual seja mais completa).

 

Veja no exemplo abaixo uma explicação visual sobre esse conceito. É possível adicionar muito mais disciplinas do universo de UX/UI Design, mas vamos nos ater às mais comuns em profissionais avaliados. Cada uma dessas tem seu próprio aprofundamento.

 

Atente para o fato de que, uma vez que você é especializado em uma delas mas conhece todas, seu alinhamento com o time será muito mais prático e eficaz pois vocês entendem, em algum nível, das mesmas habilidades. Em sua especialidade, você terá mais voz; da mesma forma, os outros integrantes do time em suas próprias especialidades. Veja abaixo:

Conclusão

 

Se você é atualmente um designer “multitask” e deseja atuar como UX/UI Designer, esse processo não é simples e muito menos automático. Para especialize-se nessa disciplina, será necessário que você mergulhe de cabeça: estude, desenvolva outras habilidades, ouça pessoas, entenda processos e passe a valorizar dados, negócios e resultados — para então compreender a enorme diferença de mindset. Se está em busca de formação, recomendamos o BootCamp MID (Master Interface Design) da Aela.io.

 

UX/UI Designers são mais procurados atualmente e melhor remunerados, pois são especialistas. No final das contas, o caminho da especialização é o mais propício a lhe render melhores resultados na construção de sua carreira no longo prazo, possibilitando o crescimento em sua especialidade, reputação e valor de mercado.

Mao Barros

Mao Barros

Receba alertas de novas vagas

Receba vagas originais da Deeploy e vagas da comunidade em seu e-mail toda semana.